Terça-Feira, 12 de novembro de 2019
03-02-2009
Agronegócio sustenta volume de exportações, mas preço cai

Venda externa supera expectativa; quantidade embarcada de açúcar em bruto cresce 94%, mas a de carne bovida recua 38% em relação a janeiro de 2008


“Foi melhor do que o esperado”. Essa foi a manifestação de Pedro de Camargo Neto, presidente da Abipecs (Associação Brasileira da Indústria Produtora e Exportadora de Carne Suína), ao analisar as exportações de carne suína em janeiro.
A análise poderia se repetir para a maioria dos setores do agronegócio. Apesar da crise, as vendas externas cresceram em volume – a prevista queda na demanda mundial por alimentos pode não se confirmar.
Apesar do volume maior, os exportadores de carnes e de grãos recebem menos dólares. A falta de crédito e a saída dos fundos de investimentos de setor trouxeram os preços de patamares especulativos para níveis próximos dos históricos.
Mesmo com a queda de preços, as receitas deste ano ainda superam as de 2008 em várias commodities, devido ao aumento do volume: soja, suco de laranja, açúcar e milho, entre outras. Além disso, o volume de reais das exportações deste ano é bem maior do que o do ano passado, devido à desvalorização da moeda brasileira em relação à norte- americana.
O alívio de Camargo Neto faz sentido. Após chegar a 50 mil toneladas por mês em 2007, as vendas externas de carne suína recuaram para apenas 26 mil em dezembro.
Para janeiro, as previsões também não eram boas, mas a indústria conseguiu colocar 34 mil toneladas no mercado externo, 33% a mais do que no mesmo mês de 2008. Os preços recuaram 13% por tonelada.
A avicultura também conseguiu ligeira recuperação. O setor exportou 245 mil toneladas em janeiro, volume superior tanto ao de dezembro como ao de janeiro de 2008. As maiores perdas ficaram para a carne bovina, que teve volumes e preços menores em janeiro. As exportações do mês passado recuaram para 57 mil toneladas, 8,1% a menos do que em dezembro e 38% abaixo das de janeiro de 2008, quando foi iniciado o embargo europeu à carne fresca brasileira.
O ano começa também como números melhores do que os previstos para a soja. O volume deste ano esteve no mesmo patamar do de janeiro de 2008, mas os preços, que estavam em queda livre, tiveram recuperação e os negócios foram feitos com recuo de apenas 1,7%.
Melhor ainda para o setor sucroalcooeiro. O déficit mundial de açúcar fez os preços subirem 18% no início deste ano em relação à igual período de 2008. Além disso, as exportações cresceram 61% no período. O resultado foram receitas de US$ 421 milhões com açúcar em bruto e US$ 148 milhões com o refinado no mês passado.
A crise, embora tenha trazido dificuldades para diversos setores do agronegócio, foi benéfica para as exportações de milho.
O reajuste do dólar e os preços internos baixos tornaram o produto brasileiro mais competitivo no mercado externo. No mês passado, foram exportados 1,33 milhões de toneladas de milho, 239% a mais do que em janeiro de 2008. O preço médio por tonelada está 28% menor do que o registrado no início do ano passado.

Fonte: Folha de S. Paulo – Agrofolha – 03/02/2009

 
 
             

Rua Vergueiro, 1753/1759 - 4° e 5° andares -
Vila Mariana - São Paulo
Cep: 04101-000 - SP   [Mapa]

Fone: (11) 5908 4799 - Fax: (11) 5084 4907
Expediente: Segunda a sexta, das 8h às 12h e das 13h às 16h

   
 
Copyright 2006-2009 © CRMVSP. Todos os direitos reservados.