Quinta-Feira, 14 de novembro de 2019
05-05-2009
Indústria da carne avalia criação do ‘conselho do boi’

Exemplo do uso de critérios técnicos em negociações vem sendo praticado nas cadeias produtivas do leite e da cana no centro-sul

Um dos principais problemas entre pecuaristas e frigoríficos é a desconfiança na hora das negociações. O valor pago pela arroba e a pesagem são pontos de atrito em boa parte das operações. Com a crise, um novo item de desconfiança tomou forma: o pagamento.
Para melhorar esse relacionamento, Douglas Oliveira, do frigorífico Mercosul, propõe a criação de um Conseboi, que seria um conselho formado por pecuaristas e frigoríficos para acompanhamento de todo o processo da carne, do pasto à exportação ou ao consumo interno. Esse acompanhamento seria um ponto de referência para o pagamento do boi.
A idéia foi colocada em prática pelos setores sucroalcooeiro e de leite no Paraná e está dando certo. “Acabaram os conflitos”, diz Antonio de Padua Rodrigues, da Unica (entidade que reúne as usinas).
As discussões ainda existem, mas são todas levadas para o Consecana e avaliadas por um órgão técnico, diz ele.
O Consecana é formado por cinco membros das indústrias e outros cinco de fornecedores. As decisões são sempre tomadas por consenso, e por trás do Consecana há um órgão técnico, composto por mais oito representantes de cada lado, que é responsável pelo acompanhamento e por análises do setor.
O preço da tonelada de cana, paga ao produtor, é formado com base no preço médio de venda dos dois produtos do setor – açúcar e álcool -, mas conforme o mix de nove segmentos do mercado: açúcar para mercado interno e externo; álcool anidro, hidratado, de uso químico para mercados internos e externos etc.
O Conseleite, no Paraná, também tem o objetivo de formação do preço do leite, com base nos preços dos 14 subprodutos negociados pelas indústrias no atacado. “É um ponto de referência, com livre negociação entre produtor e indústria”, diz Maria Sílvia Digiovani, engenheira agrônoma da Faep (Federação da Agricultura do Estado do Paraná). “É uma divisão de lucros na época de bons e uma divisão de prejuízos na época de valores menores para os produtos”, diz.
Colocada durante um seminário do banco Rabobank sobre o setor de carnes, a criação do Conseboi, segundo Oliveira, ainda é apenas uma idéia.
Outras instituições, no entanto, já procuraram a Única para saber detalhes do Consecana – entre elas, um dos principais frigoríficos do país.
O objetivo do Conseboi seria a formação do preço do boi a partir dos valores de vendas dos diversos tipos de carnes pelos frigoríficos. Isso evitaria o “descasamento” entre a matéria-prima e o produto final.
Assim como o produtor poderia receber mais pelo boi em períodos de alta da carne nos mercados interno e/ou externo, o frigorífico poderia reduzir custos nos momentos de baixa desses produtos, pagando pelo boi o correspondente ao do mercado de venda da carne.
A iniciativa é muito boa, porque vai expor os problemas”, diz Luciano Vacari, da Acrimat (Associação dos Criadores de Mato Grosso), Estado que detém o maior rebanho brasileiro e que enfrenta problemas na comercialização em várias regiões.
“É uma idéia muito interessante e um começo de uma gestão compartilhada”, acrescenta. Para Vacari, cada lado pode apresentar seus problemas e este “é um momento muito bom para isso”.
Na avaliação dos pecuaristas, os problemas existentes no setor não são segredo para ninguém e  é preciso que as partes se reúnam para discussões.
A formação de um conselho desse tipo exige, no entanto, a abertura de contas. Digiovani diz que, semanalmente, as indústrias de leite que participam do conselho fornecem a um órgão independente – no caso do Conseleite, a Universidade Federal do Paraná – o faturamento de todos os produtos.

Exemplo uruguaio
O Uruguai, importante produtor de carne, também vive uma desconfiança entre produtores e pecuaristas, mas a situação foi atenuada com a participação ativa do Inac (Instituto Nacional de Cranes), segundo Daniel Soggetti, do instituto.
O Inac é composto por dois membros do Ministério de Agricultura do país, dois da pecuária e dois dos frigoríficos. As discussões do setor ocorrem dentro desse órgão.
Em comum acordo entre pecuaristas e frigoríficos, o Inac instalou sete balanças em cada frigorífico. A pesagem, que começa coi o gado em pé, termina com a carne após a desossa.

Fonte: Folha de S. Paulo, 05/05/2009

 
 
             

Rua Vergueiro, 1753/1759 - 4° e 5° andares -
Vila Mariana - São Paulo
Cep: 04101-000 - SP   [Mapa]

Fone: (11) 5908 4799 - Fax: (11) 5084 4907
Expediente: Segunda a sexta, das 8h às 12h e das 13h às 16h

   
 
Copyright 2006-2009 © CRMVSP. Todos os direitos reservados.