Terça-Feira, 17 de setembro de 2019
08-05-2019
Hormônio na carne do frango: uma mentira a ser esclarecida à população

Criação de aves brasileira segue padrões internacionais de qualidade

Texto: Assessoria de Comunicação do CRMV-SP

Você já deve ter ouvido falar que a carne do frango não é saudável porque possui muitos hormônios. Se você acreditou nisso, saiba que se trata de um mito que atingiu diversas camadas da sociedade. A explicação para o crescimento surpreendentemente rápido das aves está na expertise de áreas como a Zootecnia.

“O desenvolvimento acelerado é uma resposta aos trabalhos de seleção e de nutrição, aliados à natureza da espécie. Assim, uma ave atinge o tamanho esperado na produção em 42 dias”, argumenta o Dr. José Evandro Moraes, zootecnista do Instituto de Zootecnia da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta), vinculada à Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo (SAA).

A seleção mencionada por Moraes é resultado de pesquisas e práticas na área de melhoramento genético, um dos campos de destaque da Zootecnia, assim como o de Nutrição, a partir do qual se estabelece melhores diretrizes para as dietas, atualmente com o milho e soja como principais ingredientes, e vitaminas e aminoácidos sintéticos importados adicionados.

O mito

Mas afinal, como surgiu o mito de hormônios na carne do frango? De acordo com Moraes, no início dos anos 1970, a corrida espacial impulsionou um avanço nos estudos de hormônios para ganho de peso e havia pesquisas com aves.

“Embora os testes não tenham sido feitos somente com a espécie, as pessoas passaram a acreditar que os frangos para alimentação eram criados a base de hormônios”, comenta o pesquisador, que palestrará sobre o assunto no 2º Encontro de Zootecnistas do Estado de São Paulo, o qual será realizado pelo CRMV-SP, no dia 14 de maio, na Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos da Universidade de São Paulo (FZEA/USP), em Pirassununga (SP).

A lenda foi fortalecida, décadas depois, quando os avanços tecnológicos e científicos contribuíram para a aceleração da produção na Avicultura. “Até os médicos começaram a acreditar que o desempenho era atribuído a hormônios e orientavam os pacientes a evitar frangos”, diz Moraes.

Segundo o zootecnista, alguns artigos acadêmicos sobre o uso de hormônios para crescimento fomentaram a visão equivocada entre profissionais da saúde. O que faltou foi contextualizar que os estudos não se aplicavam a área de produção animal.

A verdade

“O fato é que além de não ter efeito algum no âmbito de crescimento, o uso de hormônios na criação de aves traria um gasto muito maior ao setor”, frisa o Dr. José Evandro Moraes.

Com atuação profissional principalmente nas áreas de Avicultura, Nutrição e Bem-estar Animal, o pesquisador nível III do IZ argumenta que dois terços da produção brasileira atende o mercado de exportação, o que significa que diversas exigências para que seja produzida uma carne de qualidade são atendidas, do contrário, o produto nacional não seria aceito no exterior.

Serviço:

2º Encontro de Zootecnistas do Estado de São Paulo

Quando: 14 de maio, das 9h às 17h20

Local: Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos da Universidade de São Paulo (FZEA/USP)

Endereço: Av. Duque de Caxias Norte, 225, Campus Fernando Costa - USP, Pirassununga – SP

Inscrições: AQUI

LEIA TAMBÉM:

Zootecnistas atuam de forma determinante para que o Brasil oferte leites inteligentes

Atuação dos zootecnistas para a alimentação humana é foco de campanha do CRMV-SP

Prêmio Zootecnista Luiz Alberto Fries homenageará profissional referência em nutrição

Contribuição da Zootecnia para a alimentação humana pauta o 2º Encontro de Zootecnistas

Inscreva-se e participe do 2º Encontro de Zootecnistas do Estado de São Paulo

 
 
             

Rua Vergueiro, 1753/1759 - 4° e 5° andares -
Vila Mariana - São Paulo
Cep: 04101-000 - SP   [Mapa]

Fone: (11) 5908 4799 - Fax: (11) 5084 4907
Expediente: Segunda a sexta, das 8h às 12h e das 13h às 16h

   
 
Copyright 2006-2009 © CRMVSP. Todos os direitos reservados.