Quarta-Feira, 21 de outubro de 2020
28-09-2020
Mudança nos sintomas da raiva em animais requer atenção redobrada de clínicos

Vigilância, orientação aos tutores e notificação aos órgãos oficiais são prioridades

Texto: Comunicação CRMV-SP

Com a disseminação do Sar-CoV-2, as atenções se voltaram à Covid-19. Outras doenças graves, porém, também precisam de um olhar cuidadoso. É o caso da raiva, que, em animais, passou a apresentar sinais diferentes dos observados no passado, o que pode acarretar a identificação tardia da zoonose e uma perda no aspecto preventivo.

É o que alerta o Prof. Dr. Sílvio Arruda Vasconcellos, secretário-geral do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo (CRMV-SP). “A clássica agressividade nos animais infectados não tem sido observada. Já paralisias, salivação e ausência de apetite são sinais considerados mais comuns na atualidade.”

No Estado, segundo a Prof. Dra. Valéria Gentil de Tommaso, que integra a Comissão Técnica de Políticas Públicas do CRMV-SP e atua no Instituto Pasteur, a mudança no perfil clínico da doença está atrelada ao fato de que, desde 1998, a variante 2 (canina) do vírus rábico não circula. “Houve, apenas casos isolados em cães e gatos, com variantes de morcegos.”

De 2002 a 2020, no estado de São Paulo, foram registrados 13 casos de raiva em cães e 20 em gatos. “O número é relativamente pequeno, porém, não podem ser desconsideradas subnotificações ou, ainda, a não detecção de casos, uma vez que houve mudança no perfil clínico da doença”, diz Valéria.

Sintomas neurológicos e o diagnóstico diferencial

Neste contexto, é preciso que os médicos-veterinários clínicos estejam atentos a animais com sintomas neurológicos e incluam a raiva no diagnóstico diferencial. De acordo com a Nota Informativa nº13/19 do Ministério da Saúde (MS), foram elencados os seguintes critérios em cães e gatos:

Com sinais e sintomas neurológicos que foram a óbito ou submetidos à eutanásia; que morreram no período de observação de 10 dias após a agressão; os encontrados mortos por atropelamento ou sem causa definida; e suspeitos de raiva, advindos de clínicas particulares, faculdades ou outros estabelecimentos, que foram a óbito ou submetidos à eutanásia.

Vírus identificado em morcegos frugívoros

Outro ponto que Vasconcellos enfatiza merecer destaque é o fato de ter sido identificado o vírus circulando em populações de morcegos frugívoros, em diversos estados brasileiros. O risco, nesse contexto, se dá pelo contato destes com morcegos hematófagos, de forma a transmitir o vírus aos que se alimentam de sangue.

“Como se sabe, os frugívoros podem, ainda, cair em locais em que transitam pessoas e animais, o que facilita a ocorrência de mordidas acidentais, por meio das quais pode haver transmissão do vírus”, frisa Vasconcellos. O alerta é ainda maior se considerado que 90% das espécies de morcegos identificadas com raiva estão em áreas urbanas, de acordo com o MS.

O papel do médico-veterinário

Os profissionais da Medicina Veterinária, em especial o clínico, têm papel fundamental na vigilância da raiva, uma vez que, na rotina de atendimento, será o primeiro a avaliar o animal doente, identificar a suspeita e notificar o serviço público. Também por isso, os profissionais devem manter-se prevenidos contra a raiva, com seus controles sorológicos anuais.

“O médico-veterinário é estratégico, ainda, na orientação dos tutores quanto ao comportamento de cães e gatos e quanto à prevenção de mordeduras”, destaca Valéria, que ainda argumenta que, no Estado, há aproximadamente 120 mil atendimentos antirrábicos humanos anualmente, dos quais 85%, em média, são causados por cães e, 12%, por gatos.

Confira quais as instituições que realizam o diagnóstico laboratorial da raiva, aqui no estado de São Paulo:

- Instituto Pasteur (Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo);

- Instituto Biológico (Secretaria da Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo);

- Centro de Controle de Zoonoses (Secretaria de Saúde do município de São Paulo);

- Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo (FMVZ-USP);

- Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade Estadual Paulista (FMVZ-Unesp), campus Botucatu;

- Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ-Unesp), campus Araçatuba.

 
 
             

Rua Vergueiro, 1753/1759 - 4° e 5° andares -
Vila Mariana - São Paulo
Cep: 04101-000 - SP   [Mapa]

Fone: (11) 5908 4799 - Fax: (11) 5084 4907
Expediente: Segunda a sexta, das 8h às 12h e das 13h às 16h

   
 
Copyright 2006-2009 © CRMVSP. Todos os direitos reservados.