Sexta-Feira, 5 de março de 2021
10-02-2021
Rotinas são importantes para os pets mesmo em tempos de pandemia

Médicos-veterinários dão dicas para adaptar os animais domésticos a mudanças, como o retorno dos tutores às atividades presenciais

Trabalho ora remoto, ora presencial, aulas à distância, passeios e férias com algumas restrições. A pandemia, que mudou a dinâmica das famílias, impactou também a rotina dos pets. Médicos-veterinários do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo (CRMV-SP) alertam que mudanças constantes no dia a dia de um animal doméstico podem prejudicar o seu bem-estar e a sua saúde.

Para o médico-veterinário Paulo Corte Neto, membro da Comissão Técnica de Clínicos de Pequenos Animais do CRMV-SP, alterações bruscas e repentinas na vida dos pets não são recomendadas. “O ideal é fazer uma espécie de ‘desmame’, para que o animal se habitue aos poucos ao novo contexto”, afirma.

Os pets são condicionáveis e, portanto, todos os hábitos que são impostos a eles vão ser sempre seguidos, explica a médica-veterinária Maria Cristina Timponi, presidente da Comissão Técnica de Entidades Veterinárias Regionais do CRMV-SP.

“Quando estamos em casa, por conta das férias ou do trabalho remoto, devemos seguir a mesma rotina de quando estamos trabalhando fora. Passeios pela manhã e à noite são aconselháveis como forma de socialização e também como uma forma de evitar o estresse nos animais”, avalia Maria Cristina.

Reações

Com a pandemia da Covid-19, muitas pessoas passaram a trabalhar ou estudar em casa, ficando mais próximas dos pets. Nesse período, é normal criar um vínculo ainda maior com o animal, situação que deve ser considerada quando os tutores forem retornar às atividades presenciais.

“Essa separação pode gerar estresse no pet, que pode vir a destruir algo dentro de casa ou então deixar de beber água ou comer enquanto o tutor estiver fora. Ele também pode reagir uivando e latindo, o que pode incomodar os vizinhos. Portanto, o ideal é mudar a rotina gradualmente”, reforça Paulo Corte Neto.

Novas rotinas

Para Maria Cristina Timponi, o tutor deve ficar atento aos hábitos que foram criados após um longo período trabalhando em casa. “Na educação de um pet, a manutenção de rotinas sempre parecidas é muito aconselhável. A falta de rotina e horários obviamente deixará o animal confuso e sem saber que conduta tomar”, observa.

É interessante, antes de voltar às atividades presenciais, que o tutor crie uma nova rotina com o pet, como se já estivesse trabalhando fora. “Agir como se já estivesse trabalhando fora, como forma de teste, para ir acostumando o animal aos poucos e condicionando horários e momentos de brincadeira”, diz a médica-veterinária.

Cuidados

Sair de casa por um tempo menor para ver a reação do pet, antes de voltar para uma rotina de várias horas fora de casa, pode ser um bom teste. “Ao retornar para casa, o tutor pode recompensar o animal de estimação com um petisco ou com passeios, que também devem voltar a ter horários certos, para não causar estranhamento ou mesmo ansiedade no animal”, diz o médico-veterinário Paulo Corte.

Caso o animal precise ficar sem ninguém em casa e tiver medo de certos barulhos ou situações, o cuidado deve ser redobrado, pois podem ocorrer acidentes na tentativa de se esconder ou fugir. “Se o pet não está acostumado a ficar sozinho, a questão é ainda mais séria. Além de adaptar aos poucos a rotina, monitorá-lo por vídeo pode ser uma opção”, sugere o médico-veterinário.

 
 
             

Rua Vergueiro, 1753/1759 - 4° e 5° andares -
Vila Mariana - São Paulo
Cep: 04101-000 - SP   [Mapa]

Fone: (11) 5908 4799 - Fax: (11) 5084 4907
Expediente: Segunda a sexta, das 8h às 12h e das 13h às 16h

   
 
Copyright 2006-2009 © CRMVSP. Todos os direitos reservados.