Terça-Feira, 20 de abril de 2021
22-03-2021
Dia Mundial da Água: bovinocultura deve priorizar a gestão de recursos hídricos

Preservação das águas precisa se tornar uma cultura no setor

Diz o ditado que “grandes poderes trazem grandes responsabilidades”. Na bovinocultura, o poder está na expertise e na expressividade socioeconômica. Já entre as responsabilidades, podemos listar a gestão e a eficiência no uso da água, bem como a destinação adequada de resíduos que poluem este recurso natural tão precioso.

Isso porque esta é uma demanda global e iminente. Na pauta da Organização das Nações Unidas (ONU), por exemplo, a água é objeto direto de dois dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODSs) e, indireto, de toda a agenda 2030 proposta aos países.

Entretanto, no contexto da produção bovina, apesar dos avanços em ciência e tecnologia, “falta maior foco na questão dos recursos hídricos”, diz a médica-veterinária Elma Polegato, presidente da Comissão Técnica de Saúde Ambiental e do Grupo de Trabalho em Destinação de Resíduos gerados nas Atividades Agropecuárias do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo (CRMV-SP).

Segundo o zootecnista Júlio Palhares, pesquisador na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Pecuária Sudeste, já há legislações e outorgas para cobrança pelo uso de água. “Porém, a medição do consumo ainda é uma prática rara e não tem como se fazer gestão de algo que você não conhece.”

Mudança cultural

Elma e Palhares frisam que já há iniciativas em grandes players em busca de reconhecimento como empresa com responsabilidade ambiental. Exemplo disso é o case de uma marca, citado por Palhares. Trata-se de um programa em que fornecedores de leite apresentam monitoramento do consumo de água, estrutura de armazenamento e destinação adequada de efluentes gerados na ordenha.

“O produtor é auditado periodicamente e, se cumprir as metas, recebe bonificação por litro de leite”, menciona o zootecnista. No entanto, ações deste tipo ainda representam uma pequena parcela diante da dimensão do mercado alimentado pela bovinocultura. “É fundamental uma mudança cultural na mesma proporção”, diz Palhares.

Pequenas medidas, grandes resultados

A mudança começa com medidas simples: instalação de hidrômetros para monitorar e controlar o consumo; melhora dos hábitos diários de higienização, com recolhimento dos resíduos sólidos antes da lavagem de ambientes; utilização de água sob pressão e aquisição de sistemas de reuso e preservação de áreas verdes que cercam cursos d’água dentro ou no entorno das propriedades.

Há impactos positivos, ainda, a partir de adequações na ração do rebanho, que se refletem na quantidade de água que os animais precisarão ingerir. “A boa nutrição é fundamental para atribuir eficiência hídrica para os nossos produtos de origem animal”, frisa.

O médico-veterinário e o zootecnista neste contexto

Para Elma e Palhares, é indiscutível o papel dos profissionais da Medicina Veterinária e da Zootecnia como agente conscientizadores de produtores e de trabalhadores que atuam nessas cadeias. “Cabe também aos colegas a missão de apontar pontos de melhoria e seus reflexos positivos”, diz Elma.

Na opinião de Palhares, também é preciso uma movimentação das instituições de ensino, aumentando o foco da questão ambiental na formação, e, das entidades de classe, no sentido de ampliar esse olhar e o diálogo entre os profissionais, cujas atuações são permeadas pelo conceito de Saúde Única, ou seja, a promoção da saúde humana, animal e ambiental.

Leia também:

Dia Mundial da Água: suinocultura e avicultura estão à frente em práticas no setor produtivo

https://crmvsp.gov.br/site/noticia_ver.php?id_noticia=7419

 
 
             

Rua Vergueiro, 1753/1759 - 4° e 5° andares -
Vila Mariana - São Paulo
Cep: 04101-000 - SP   [Mapa]

Fone: (11) 5908 4799 - Fax: (11) 5084 4907
Expediente: Segunda a sexta, das 8h às 12h e das 13h às 16h

   
 
Copyright 2006-2009 © CRMVSP. Todos os direitos reservados.